Hoje, a Igreja celebra a festa do Batismo de Jesus- assim, encerra-se “o ciclo das Festas da Manifestação do Senhor, o ciclo de Natal”.

Lembrando que João pregava um Batismo de arrependimento para a remissão dos pecados (LC 3,3), por isso resiste em batizar Jesus, pois sabia que nele não havia pecado, mas, Cristo revela um ato central da sua missão, o ato de ser servo, de assumir a fragilidade humana, e de sua humildade, de se colocar na fila junto com os pecadores para que o projeto salvífico pudesse acontecer.

Dessa forma, o céu se abre e viu descer sobre Ele, em forma de pomba, o espírito de Deus e a voz de Deus proclama “Eis meu Filho muito amado em quem eu ponho minha afeição.” (Mt 3,16-17). É a segunda manifestação, a Epifania de Jesus como o Messias, o Filho de Deus. < No Batismo de Jesus “abriram-se os Céus” (Mt 3,16) que o pecado de Adão havia fechado, e as águas são santificadas pela descida de Jesus e do Espírito, prelúdio da nova criação.> CIC 739, p. 151.

Com o Batismo Cristo inicia publicamente sua missão de anunciar o Reino de Deus e insere toda a humanidade no projeto de salvação, inaugurando o batismo de todo cristão “se torne uma criatura nova” (2 Cor 5,17).

Diante da grandeza desse Sacramento, recordemos a graça que nos foi dada no dia do nosso Batismo, que não é simplesmente nos purificar dos pecados, mas tornarmos membros da Igreja, abre-nos a porta para o caminho de santidade e nos faz “co-herdeiros de Cristo” (Rm 8,17) , “templos do Espírito Santo” ( I Cor 6,19) e “participantes da natureza divina “( 2P d 1,4).

Tomemos consciência da graça que nos foi dada e vivamos a cada dia inseridos dentro do projeto de salvação e sermos propagadores dessa graça para aqueles que estão ao nosso redor.

Deus abençoe!

 

Bruna Ferreira

Missionária da Comunidade Católica Alicerce

Comentários

Comentários