Ao nos aproximarmos do final de ano, ouvimos de diversas maneiras quão cansadas as pessoas estão, que esperam logo pela virada do ano e que o próximo ano “promete”. Com certeza toda essa reatividade ao que um ano novo nos traz é positivo sim! Porém, por vezes, na minha própria vida e na vida de tantas pessoas percebo que isso se resume ao final do ano.

No ano de 2019 serão sim muitas as realizações, alegrias e felicidades, porém não podemos deixar de nos preparar para as dificuldades e desafios que enfrentaremos, caso contrário, chegaremos neles despreparados, chegaremos ao nosso limite! E bem como o final de ano é um momento propício para reflexões e revisão de vida, proponho que pensemos um pouco sobre os nossos limites, o final do ano é o limite do ano que se encerra, de 365 dias que vivenciamos intensamente diversos momentos que nos trouxeram até esse limite, e o que faremos agora? É inevitável a passagem de ano, a chegada de novos dias e as possibilidades de novos desafios, basta entrarmos na onda do “adeus ano velho, feliz ano novo…”?! Não, não acredito que essa seja a melhor postura para nós que acreditamos na capacidade e potencial que recebemos de Deus para enfrentar com dignidade cada momento da vida.

Proponho, portanto que façamos deste ano que iniciaremos uma prática de “adeus ano velho, feliz ano novo”, todos os dias recebemos de Deus a oportunidade de superar limites, de buscar com mais intensidade a realização da nossa humanidade, da nossa essência, não deixemos passar as oportunidades que nos são e serão apresentadas, não troquemos apenas o calendário, mas que 2019 seja para cada um de nós a possibilidade diária de poder tocar nos nossos limites e saber que eles encerram uma etapa e nos dão a possibilidade de iniciarmos um novo tempo, com a consciência de que tudo o que somos até hoje, nos prepara para o que seremos amanhã.

Um novo ano gera em nós expectativas, sonhos e desejos, sejamos os responsáveis e protagonistas na realização de cada um deles, que os nossos limites nos sejam pontes, portas, trampolins ou mesmo montanhas, para alcançarmos cada um deles e quando chegarmos ao final do próximo ano, possamos não mais dizer que estamos muito cansados e que chegamos ao nosso limite, mas que possamos agradecer a Deus a superação de muitos limites, que possamos nos sentir realizados por todas as conquistas e que possamos nos sentir vitoriosos, porque mesmo em meio a tantos desafios nós não desanimamos, pois trazemos em nossa fragilidade humana, a força e capacidade de um Deus que se fez homem para nos possibilitar a realização das nossas vidas através do seu exemplo!

Amanda Barbosa da Costa

Missionária da Comunidade Católica Alicerce

Comentários

Comentários