Da Passividade à Ação

É como somos impulsionados a viver quando somos curados, seja de que enfermidade for, somos resgatados em nossa essência, e potencialmente somos colocados em ação.

Não meramente um agir decorrente dos atrasos que possam ter acontecido por conta do adoecimento, mas porque nos encontramos novamente com a nossa identidade original.

E não é preciso que nos digam o que fazer, ou quem devemos ser, basta apenas a nossa decisão pela disponibilidade e atenção à vida que continua acontecendo, e naturalmente o valor que temos e somos se manifesta em nossas ações, palavras e pensamentos.

Não se acostume a passar pela vida, apegado às suas enfermidades (debilidades), elas têm cura, e recorrentemente podem receber uma nova perspectiva, um novo olhar e uma nova ordem.

A cura começa pela retomada de ânimo, pela ação determinada, para o rompimento da passividade e a compreensão de que a debilidade é apenas consequência do abandono da postura adequada frente à vida, que tem sentido mediante qualquer situação.

(Leia Mc 1,29-39)

Missionária – Amanda Barbosa da Costa

Gostou? Compartilhe:
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *