2

“A minha alma engrandece o Senhor, e meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.” (Lc 1,47). No cântico de Maria, a cheia de graça nos revela quem é Deus, revela para nós um Deus Salvador, que faz por nós maravilhas. Maria cantou ao Senhor, pois o seu coração transbordava amor e alegria, por fazer parte do projeto salvífico.

Não tem como falar de vocação, falar de fé, de assumir o projeto de Deus, sem falar Maria, nela o nosso sim, tornou-se possível, nela encontramos força para superarmos nossas dificuldades, e sobretudo, nela aprendemos a caminhar rumo ao Céu.

Nesse dia (16 de julho), a liturgia nos convida a olharmos para a Virgem do Carmo, que aponta as origens da ordem do Carmelo, em que a tradição o relaciona  com a nuvem branca divisada do alto do monte Carmelo, enquanto o profeta Elias pedia insistentemente a Deus que desse fim a uma terrível seca.

No século XII os monges sofreram grande perseguição por parte dos muçulmanos, assim fugiram para a Europa e elegeram o São Simeão Stok como superior geral, este, estava rezando no dia 16 de julho o Santo terço, quando Nossa Senhora apareceu com um escapulário, e disse-lhe: “Recebe, meu filho, este escapulário da tua Ordem, que será o penhor do privilégio que eu alcancei para ti e para todos os filhos do Carmo. Todo o que morrer com este escapulário será preservado do fogo eterno”.

Muitos Papas difundiram a devoção ao uso do escapulário e o Papa Pio XII escreveu “devemos colocar em primeiro lugar a devoção do escapulário de Nossa Senhora do Carmo – e ainda – escapulário não é ‘carta-branca’ para pecar; é uma ‘lembrança’ para viver de maneira cristã, e assim, alcançar a graça duma boa morte”.

Assim como os monges no tempo da perseguição confiaram  suas vidas na proteção da Virgem Maria e não esmoreceram na fé, peçamos a Maria, essa mesma confiança, que nos impulsione hoje a depositar a nossa vida, nosso país, as situações difíceis nas mãos de Deus, através da oração, do testemunho coerente e da proteção de Nossa Senhora do Carmo!

Nossa Senhora do Carmo, rogai por nós!

Bruna Ferreira

Missionária da Comunidade Católica Alicerce

Comentários

Comentários